Arquivo | julho, 2010

Uma explicação plausível

29 jul

Descoberta, finalmente, a fábrica secreta dos blocos de Tetris:

Arquivo oculto

25 jul

Magdalena Carmen apareceu na minha vida pela primeira vez graças a uma camiseta, comprada mais pela beleza de sua estampa, do que pela mensagem que trazia em si

( significação que eu só viria a descobrir e me encantaria um ano depois): um espartilho de madeira e ferro que apertava com força dois seios fartos.                         

Como sou louca por grandes seios e por arte, saí às ruas levando à mostra minha nova aquisição e, claro, não tardou para que alguém mencionasse o nome da dona daquela pintura: “adorei a camiseta da Frida, onde comprou?”.

Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón nasceu em 1907, na cidade de Coyoacán, no México.

É de conhecimento geral sua grande repercussão no mundo artístico, sendo a primeira artista surrealista da América Latina de reconhecimento mundial. Suas obras vibram e sugam a atração de qualquer um que passe por perto de uma delas (como foi o caso dos “meus” seios grandões).

Não sei até que ponto coincidência, passei a vasculhar uma série de pequenos fatos que rodeavam a vida da mulher de vastas sobrancelhas e, quando deparei por mim, Frida estava em meus cadernos, minhas várias listas de livros-para-ler-durante-as-férias, em fotos, em ensaios fotográficos, em roupas, em textos, em pequenos detalhes.

Até então, Magdalena era uma grande mulher que admirava, mas não suficientemente próxima para me apaixonar por ela. 

Há duas semanas, a editora Cosacnaify lançou o livro “Frida Kahlo – Suas Fotos

São 524 páginas, entre pequenos textos e sete capítulos que revelam a proximidade da artista com a fotografia e sua breve e intensa luta pela vida, bem como sua ação dentro da política e sua influência no campo das artes.

São dezenas de imagens, tiradas por amigos, grandes fotógrafos (dentre eles, Guillermo Kahlo, seu pai) e pela própria artista.

O acervo fotográfico, que inclui fotos de Frida quando criança, encontros entre amigos em casa, retratos da família (avós, irmãos, bichos de estimação) e de amores foi entregue pela artista a Diego Riviera, seu companheiro de muitos anos e cedidas por ele, juntamente com a Casa Azul (onde hoje é o Museu Frida Kahlo), com o pedido de que o arquivo só fosse aberto quinze anos após sua morte.

Feito assim,coube a Hilda Trujillo, atual diretora do Museu essa tarefa (um tanto quanto deliciosa, convenhamos!),  revelando novas pequenas sutilezas da nada sutil mexicana.

 Como em diversos outros relatos (o filme Frida e a biografia de Hayden Herrera, só para citar),o livro publicado pela Cosacnaify, que está sendo vendido na livraria Quixote por 120 reais trás a certeza de que Frida foi daquelas mulheres que passou e ficou como a fotografia, que por mais velha guardada no armário, mantém intacta a juventude  do Tempo que estampa (no caso de Frida, muito a frente do tempo em que existiu) e relembra à memória que falha, aquilo que não se pode escapar.                         

Frida permanece e seu brilhantismo se perpetua, mesclado a dores e amores incuráveis;

Em “Frida Kahlo – suas fotos, me apaixonei por uma mexicana, de seios fartos, extensas sobrancelhas e de idéias únicas e dores perversas, me encantei por sua beleza rara e por um olhar que até então não conseguia decifrar: “Sabia[só ela] que o campo de batalha do sofrimento se refletia em meus [seus] olhos. Desde então, comecei a olhar diretamente para a lente, sem piscar, sem sorrir, decidida a mostrar que seria uma lutadora até o final”. E foi!

Calvin e Haroldo em férias

24 jul

Bom, as férias começaram já há algum tempo para a maioria das pessoas, mas só hoje eu, por exemplo, estou saindo de viagem. Isso significa que a atividade do Extra Virgem! deve cair um pouco essa semana, mas significa também… Coletânea de férias de Calvin e Haroldo! Atenção, leitores, para o top de 10 tirinhas:

Não seria possível sem a ajuda do ótimo Depósito do Calvin.

Lirismos de Quinta – 22/07/2010

22 jul

De volta com o modernista Décio Pignatari, os Lirismos de hoje apresentam o poema Tensão.


Nas Nuvens

21 jul

A idéia básica seria permitir ao usuário a experiência de descansar em uma nuvem.

A vida cada dia mais estressante nos faz buscar cada dia mais formas de relaxamento, de abstração do mundo. Quantas vezes você não se imaginou voando, passeando por entre as nuvens, andando nelas, ou simplesmente deitado sobre elas? Faz algum tempo que li sobre o Cloud, um sofá ainda coinceitual, que consiste num almofada super-macia em forma de nuvem, sustentada no ar por um campo magnético, que seria gerado pela base. Desenhado por D. K. Wei, Cloud foi idealizado a fim de proporcionar conforto máximo. Aliás, dizem que este conceito levaria o relaxamento a um nível ainda desconhecido, pois é como você estar sobre um objeto que não sofre as consequências da gravidade. O projeto ganhou até um prêmio de  consolação menção honrosa num concurso de desing de relaxamento (aliás, que tipo de concurso é esse???). Bem, se o sofá for tão confortável quanto parece eu gostaria muito de experimentá-lo. Dormir até morrer três vezes seguidas em cima de um desses. (apesar de eu achar que falta um encosto nele…)

De qualquer maneira, a idéia de ter um Cloud na sala ou no quarto parece um tanto distante. Entretanto, se nada der certo e no futuro Cloud se mostrar inviável por qualquer motivo, ainda nos restará olhar para o céu e nos imaginar na nuvens.

Evolução capilar dos Beatles

21 jul

Arte de mozzarellapoppy, do deviantART. Eu ri, viu:

38º Festival de Cinema de Gramado – Candidatos

20 jul

Foi divulgada ontem a lista de candidatos à premiação do Festival de Cinema de Gramado, que acontece no dia 14 de Agosto, ao fim da tradicional maratona de cinema que começa no dia 6 do mesmo mês. Haverá premiação para melhor filme, diretor, ator, atriz, roteiro e fotografia nas quatro categorias apresentadas abaixo.

Na edição deste ano, serão premiados também o ator Paulo César Pereio e a cineasta Ana Carolina Soares. Fiquem abaixo com a lista de indicados, sabendo que até esta sexta-feira, serão acrescentados mais um longa nacional e um estrangeiro, que ainda não foram divulgados.

Longas Nacionais
180º – Direção Eduardo Vaisman (Rio de Janeiro)
Diário de uma Busca – Direção Flavia Castro (Rio de Janeiro)
Enquanto a Noite Não Chega – Direção Beto Souza (Porto Alegre)
Não Se Pode Viver Sem Amor – Direção Jorge Durán (Rio de Janeiro)
O Último Romance de Balzac – Direção Geraldo Sarno (Rio de Janeiro)
Ponto Org – Direção Patricia Moran (São Paulo)
O Contestado – Restos Mortais – Direção Sylvio Back (Rio de Janeiro)

Longas Estrangeiros
El Vuelco Del Cangrejo – Direção Oscar Ruiz Navia (Colômbia/frança)
Historia De Un Dia – Direção Rosana Matecki (Venezuela)
La Vieja De Atras – Direção Pablo Jose Meza (Argentina/Brasil)
La Yuma – Direção Florence Jaugey (Nicarágua)
Mi Vida Con Carlos – Direção German Berger (Chile/Espanha/Alemanha)
Ojos Bien Abiertos: Un Viaje por la Sudámerica de Hoy – Direção Gonzalo Arijon

Curtas Nacionais
Amigos Bizarros do Ricardinho – Direção Augusto Canani (Porto Alegre)
A Minha Alma É Irmã de Deus – Direção Luci Alcântara (Recife)
Babás – Direção Consuelo Lins (Rio De Janeiro)
Carreto – Direção Cláudio Marques E Marília Hughes (Salvador)
Em Trânsito – Direção Cavi Borges (Rio de Janeiro)
Eu Não Quero Voltar Sozinho– Direção Daniel Ribeiro (São Paulo)
Haruo Ohara – Direção Rodrigo Grota (São Paulo)
Mar Exílio – Direção Eduardo Morotó (Rio de Janeiro)
Naiá e a Lua – Direção Leandro Tadashi (São Paulo)
Ninjas – Direção Dennison Ramalho (São Paulo)
Os Anjos do Meio da Praça – Direção Alê Camargo & Camila Carrossine (São Paulo)
Pimenta – Direção Eduardo Mattos (São Paulo)
Pinball– Direção Ruy Veridiano (São Paulo)
Ratão – Direção Santiago Dellape (Brasília)
Um Animal Menor – Direção Pedro Harres e Marcos Contreras (Porto Alegre)
Vento – Direção Marcio Salem (São Paulo)

Mostra Gaúcha
Amigos Bizarros de Ricardinho – Direção Augusto Canani
Depois da Pele – Direção Márcio Reolon e Samuel Telles
Eu e o Cara da Piscina – Direção William Mayer
Limbo – Direção Fernando Mantelli
Maldita – Direção Claudia Dreyer
Os Nomes do Carimbo – Direção Roberto Burd
Peixe Vermelho – Direção Andreia Vigo
Quando o Tempo da Reflexão Acabar – Direção Vinicius Guerra
Um Animal Menor – Direção Pedro Harres e Marcos Contreras
Uma Visita à Holliweger – Direção Pedro Foss
Uttara – Direção Ivo Schergl Jr.
Volto Logo – Direção Eduardo Wannmachers

Mais informações no site do evento.