Arquivo | 17:27

Lirismos de Quinta – 24/02/2010

24 fev

Nessa semana, os Lirismos trazem um pouco da poesia de Mário Faustino, que mesmo tendo apenas um livro publicado em vida (em função de sua morte prematura, aos 32 anos). Faustino trabalhou a temática de sua obra poética baseando-se na tríade: amor, morte e vida.

BALATETTA – Mário Faustino

Por não ter esperança de beijá-lo
Eu mesmo, ou de abraçá-lo,
Ou contar-lhe do amor que me corrói
O coração vassalo,
Vai tu, poema, ao meu
Amado, vai ao seu
Quarto dizer-lhe quanto, quanto dói
Amar sem ser amado,
Amar calado.

Beijai-o vós, felizes
Palavras que levíssimas envio
Rumo aos quentes países
De seu corpo dormente, rumo ao frio
Vale onde vaga a alma
Liberta que na calma
Da noite vai sonhando, indiferente
À fonte que, de ardente,
Gera em meu rosto um rio
Resplandecente.

No sonolento ramo
Pousai, palavras minhas, e cantai
Repetindo: eu te amo.
Ele, que dorme, e vai
De reino em reino cavalgando sua
Beleza sob a lua,
Encontrará na voz de vosso canto
Motivo de acalanto;
E dormirá mais longe ainda, enquanto
Eu, carregando só, por esta rua
Difícil, meu pesado
Coração recusado,
Verei, nesse seu sono renovado,
Razão de desencanto
E de mais pranto.

Ménage Cultural

24 fev

Um texto de Rafael Reis.

LCD Soundsystem is not playing at my house

Alexander, our older brother,
set out for a great adventure.

Arcade Fire

Foi em outubro de 2005 minha primeira viagem para um show. Arcade Fire, Strokes e Wilco tocariam no Tim Festival. Imperdível. Época de vacas magras, 4º período de faculdade, juntei umas economias e fui do jeito que deu: busão pro Rio de Janeiro, dormir de favor no chão da sala da casa de unsamigos de um amigo, comer apenas o necessário, voltar de carona com um recém conhecido, etc. Nada disso era problema, o importante era ver os shows, que foram fodas. Desde então, dificilmente passo um ano sem ver alguma apresentação legal de bandas que vêm para o Brasil. Felizmente, as vacas engordaram um pouco nesses 6 anos. Infelizmente, ainda é preciso gastar uma grana alta com viagens (fora o cansaço), pois BH continua à margem da cena artística contemporânea.

Minha mais recente aventura foi ver o show de despedida da banda norte-americana LCD Soundsystem, cujo líder, James Murphy, decidiu dar um tempo para tocar adiante alguns projetos paralelos. Diga-se de passagem, o LCD tocou em BH, salvo engano, em 2007. Não vi o show na ocasião, então só me restava pegar uma grana e ir pra SP, era a última chance…

Como tudo foi combinado em cima da hora, a viagem acabou ficando mais cara do que o normal. Saímos de BH na sexta, dia 18, às 11:40. Voltamos às 18:00 do dia seguinte. O show foi muito intenso e animado, a banda tocou suas melhores músicas durante aproximadamente 1 hora e 50 minutos. Para mim, faltou tocarem apenas “Watch the tapes”, do álbumSound of Silver. De pontos negativos, achei a produção muito desleixada: além do palco muito pequeno, o som estava bem ruim. Ouvia-se mal o vocal de James Murphy e a voz de Nancy Whang, tecladista com algumas participações vocais importantes, era quase inaudível. Uma pena.

Ainda não fiz todas as contas, mas juntando deslocamentos (avião + metrô + táxi + ônibus), hospedagem (Formule 1, tosco mas funcional), ingresso e despesas com bebida e alimentação, acho que foram uns R$ 1000. Caro? Muito, se pensarmos que foi apenas “uma saída”. Valeu a pena? Para mim, sim. Mas sempre fico na esperança de que um dia os produtores musicais de BH vão resolver entrar na briga pelosbons shows; que alguém construirá uma casa de shows decente; e que, principalmente, teremos público para isso aqui na roça. Quando isso acontecer, viajar será uma opção, não uma obrigação.