Arquivo | Quadrinhos, charges e tiras RSS feed for this section

Como um artista

29 maio

Uma tira pra gente reler quando vierem aqueles pensamentos bobos sobre nós mesmos e nossas capacidades:

“Uma tentativa pretensiosa de denunciar a ‘apatia dos homens’…

25 maio

…mas sinceramente, o desenhista do blog é uma pessoa apática, mimada e totalmente enredada pelo contexto classe-média-amedrontada. Só me mobilizo mesmo quando cai o sinal da NET. Credibilidade aqui não tem vez.”

E assim descreve-se a missão do autor do sensacional blog de tiras e quadrinhos Dinâmica de Bruto .

Bruno Maron soube desenvolver um formato e estilo ímpares, proporcionando-nos boas risadas e reflexões críticas (e muitas auto-críticas). Um legítimo Blues da Piedade.

(Clique na imagem para aumentar)

Sofri pra escolher os quadrinhos que iriam ilustrar o post, mas estão todos disponíveis no blog e aqui vão links para alguns que considero imperdíveis:

O Desapego Mais Bonito da Cidade

Medo na Medula 

Uma Igrejinha que Caiba no Seu Sonho

Assunto importante aí: AMENIDADE

Subversão programada

Conversa em Quadrinhos com Rafael Sica

17 maio

No próximo sábado, 21 de Maio de 2011, o quadrinista gaúcho Rafael Sica lança seu livro Ordinário e bate um papo com o público na Gibiteca Antônio Gobbo.O livro foi lançado pela Quadrinhos na Cia. e “é uma coletânea da série de tiras de mesmo nome, publicada por Rafael Sica em seu blog desde 2009. Essas tiras, em preto e branco e sem falas, retratam a vida na metrópole, marcada por sentimentos intensos como solidão, tristeza, medo e horror, sempre com um humor ácido e um toque de surrealismo. Nesse universo bastante particular – e facilmente reconhecível – criado por Sica, questiona-se a vida urbana e o comportamento do homem contemporâneo de um modo quase tragicômico.” (Fonte: Companhia das Letras)Confiram o trabalho de Rafael em seu blog e não deixem de ir à Gibiteca, conversar com o autor e levar seu Ordinário autografado para casa!

Sempre lembrando, a Gibiteca Antônio Gobbo fica à Rua Carangola, número 288, no bairro Santo Antônio. Leve seu RG e comprovante de endereço para fazer o cadastro e poder levar gibis para casa! Siga o Twitter da Gibiteca e “curta” a página no Facebook!

Conversa em Quadrinhos com João Marcos

13 abr

2011 está sendo, com certeza, um ótimo ano para os quadrinhos em BH. Além da confirmação do FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos) para novembro, a Gibiteca Antônio Gobbo está renascendo, trazendo quadrinistas de qualidade para bate-papos, promovendo encontros para se pensar quadrinhos e possibilitando o empréstimo de grande parte de seu acervo. São ótimas notícias para os amantes dessa arte e uma fantástica oportunidade para aqueles que ainda não a conhecem direito.Depois de Laerte, Eddy Barrows e Alves, é a vez de conversar com João Marcos, ilustrador, chargista e um dos roteiristas da Turma da Mônica. O artista aproveita o bate-papo para lançar e autografar seu último livro: Histórias tão pequenas de nós dois, com seu personagem Mendelévio, presente em tiras de jornais mineiros. O encontro acontece neste sábado, às 11h, na Gibiteca.

E não se esqueça de seguir a Gibiteca e João Marcos no Twitter e curtir a página da Gibiteca no Facebook! Ah, é claro, também não deixe de ir à Rua Carangola, número 288, no bairro Santo Antônio e fazer empréstimos de seus gibis favoritos!

Estereoscópio – Tira do Ryotiras + Hoji, de PatoFu + Papos, de Luís Fernando Veríssimo

10 abr

Há muito não publicamos um Estereoscópio. Mas vagando pelo site do Ryotiras ocorreu-me uma idéia. Aliás, no próprio post do Ryotiras já tinha alguns elementos sobre isso. Só completei.

Tira “Norma Culta” do Ryotiras

+

Música “Hoji”, do grupo mineiro PatoFu

+

Texto “Papos”, de Luís Fernando Veríssimo

– Me disseram…
– Disseram-me.
– Hein?
– O correto é “disseram-me”. Não “me disseram”.
– Eu falo como quero. E te digo mais… Ou é “digo-te”?                                                                                                                                                                                           – O quê?
– Digo-te que você…
– O “te” e o “você” não combinam.
– Lhe digo?
– Também não. O que você ia me dizer?
– Que você está sendo grosseiro, pedante e chato. E que eu vou te partir a
cara. Lhe partir a cara. Partir a sua cara. Como é que se diz?
– Partir-te a cara.
– Pois é. Parti-la hei de, se você não parar de me corrigir. Ou corrigir-me.
– É para o seu próprio bem.
– Dispenso as suas correções. Vê se esquece-me. Falo como bem entender. Mais uma correção e eu…                                                                         
– O quê?
– O mato.
– Que mato?
– Mato-o. Mato-lhe. Mato você. Matar-lhe-ei-te. Ouviu bem?                                                                                                                                                                              – Mas eu só estava tentando…
– Pois esqueça-o e pára-te. Pronome no lugar certo é elitismo!
– Se você prefere falar errado…
– Falo como todo mundo fala. O importante é me entenderem. Ou
entenderem-me?
– No caso… não sei.
– Ah, não sabe? Não o sabes? Sabes-lo não?
– Esquece.
– Não. Como “esquece”? Você prefere falar errado? E o certo é “esquece” ou “esqueça”? Ilumine-me. Me diga. Ensines-lo-me, vamos.
– Depende.
– Depende. Perfeito. Não o sabes. Ensinar-me-lo-ias se o soubesses, mas não
sabes-o.
– Está bem, está bem. Desculpe. Fale como quiser.
– Agradeço-lhe a permissão para falar errado que mas dás. Mas não posso
mais dizer-lo-te o que dizer-te-ia.
– Por quê?
– Porque com todo este papo, esqueci-lo.

Invasão Alien

1 abr

Bom Primeiro de Abril!

Os Sete Pecados Capitais de Laerte

18 fev