Tag Archives: lirismos

Lirismos de Quinta – 24/02/2010

24 fev

Nessa semana, os Lirismos trazem um pouco da poesia de Mário Faustino, que mesmo tendo apenas um livro publicado em vida (em função de sua morte prematura, aos 32 anos). Faustino trabalhou a temática de sua obra poética baseando-se na tríade: amor, morte e vida.

BALATETTA – Mário Faustino

Por não ter esperança de beijá-lo
Eu mesmo, ou de abraçá-lo,
Ou contar-lhe do amor que me corrói
O coração vassalo,
Vai tu, poema, ao meu
Amado, vai ao seu
Quarto dizer-lhe quanto, quanto dói
Amar sem ser amado,
Amar calado.

Beijai-o vós, felizes
Palavras que levíssimas envio
Rumo aos quentes países
De seu corpo dormente, rumo ao frio
Vale onde vaga a alma
Liberta que na calma
Da noite vai sonhando, indiferente
À fonte que, de ardente,
Gera em meu rosto um rio
Resplandecente.

No sonolento ramo
Pousai, palavras minhas, e cantai
Repetindo: eu te amo.
Ele, que dorme, e vai
De reino em reino cavalgando sua
Beleza sob a lua,
Encontrará na voz de vosso canto
Motivo de acalanto;
E dormirá mais longe ainda, enquanto
Eu, carregando só, por esta rua
Difícil, meu pesado
Coração recusado,
Verei, nesse seu sono renovado,
Razão de desencanto
E de mais pranto.

Lirismos de Quinta – 27/05/10

28 maio

Acho engraçado quando a gente esquece que é quinta-feira e o post acaba virando um Lirismo de sexta. Talvez o leitor não ache tão engraçado assim a nossa desorganização, mas aqui vai um poema visual em que se pode pensar um pouco nesta sexta-feira iminentemente chuvosa de Belo Horizonte: