Tag Archives: semana da poesia

Semana da Poesia EV! – Segunda-Feira

28 mar

E então termina aqui a Semana da Poesia EV!. Para fechar em grande estilo, trago uma adaptação para o audiovisual dos poemas concretos “Cinco” (de José Lino Grunewald, 1964), “Velocidade” (de Ronald Azeredo, 1957), “Cidade” (de Augusto de Campos, 1963), “Pêndulo” (de E.M. de Melo e Castro, 1961/62) e “O Organismo” (de Décio Pignatari, 1960). Direção de Christian Caselli.

Semana da Poesia EV! – Domingo

27 mar

O “Poema em Linha Reta” de Fernando Pessoa, é narrado neste vídeo pelo ator Paulo Autran.

Semana da Poesia EV! – Sexta-Feira

25 mar

Achei esse poema de Georgea Fontes, uma ilustre desconhecida, nalgum lugar da internet. Resolvi compartilhar aqui no EV!, nessa sexta-feira da poesia.

Promessas – Georgea Fontes

Não prometo cuidar do seu jardim,
mas posso te levar flores.
Não prometo colorir sua vida, enfim,
mas posso te mostrar mais cores.

Talvez eu não possa te trazer a felicidade,
mas posso dividir a minha com você.
E, se tudo mais falhar, com sinceridade,
minha amizade, para sempre, você há de ter.

Mas promessas são só promessas.
Muitas são esquecidas com o tempo…
Algumas fogem com pressa,
outras ficam onde encontram alento.

Por isso só te prometo
o que realmente posso cumprir,
pois minhas promessas, decerto,
eu sei que não hão de fugir.

Semana da Poesia EV! + Lirismos de Quinta

24 mar

Hoje os Lirismos de Quinta, traz um belo poema de Drummond, em advento da Semana da Poesia no EV!

 

Segredo, Carlos Drummond de Andrade

A poesia é incomunicável.
Fique torto no seu canto.
Não ame.

Ouço dizer que há tiroteio
ao alcance do nosso corpo.
É a revolução? o amor?
Não diga nada.

Tudo é possível, só eu impossível.
O mar transborda de peixes.
Há homens que andam no mar
como se andassem na rua.
Não conte.

Suponha que um anjo de fogo
varresse a face da terra
e os homens sacrificados
pedissem perdão.
Não peça.

Semana da Poesia EV! – Quarta-Feira

23 mar

Nessa quarta-feira lírica, o EV! traz uma clássica canção escrita por Rita Lee, Roberto Carvalho e Arnaldo Jabor. Na voz dela.

AMOR E SEXO – Rita Lee, Roberto Carvalho e Arnaldo Jabor

Amor é um livro
Sexo é esporte
Sexo é escolha
Amor é sorte…

Amor é pensamento
Teorema
Amor é novela
Sexo é cinema..

Sexo é imaginação
Fantasia
Amor é prosa
Sexo é poesia…

O amor nos torna
Patéticos
Sexo é uma selva
De epiléticos…

Amor é cristão
Sexo é pagão
Amor é latifúndio
Sexo é invasão
Amor é divino
Sexo é animal
Amor é bossa nova
Sexo é carnaval
Oh! Oh! Uh!

Amor é para sempre
Sexo também
Sexo é do bom
Amor é do bem…

Amor sem sexo
É amizade
Sexo sem amor
É vontade…

Amor é um
Sexo é dois
Sexo antes
Amor depois…

Sexo vem dos outros
E vai embora
Amor vem de nós
E demora…

Amor é cristão
Sexo é pagão
Amor é latifúndio
Sexo é invasão
Amor é divino
Sexo é animal
Amor é bossa nova
Sexo é carnaval
Oh! Oh! Oh!

Amor é isso
Sexo é aquilo
E coisa e tal!
E tal e coisa!
Uh! Uh! Uh!
Ai o amor!
Hum! O sexo!

Semana da Poesia EV! – Terça-Feira

22 mar

Nessa terça poética, trazemos a poesia de Henriqueta Lisboa (1901-1985), poeta mineira considerada pela crítica um dos grandes nomes da lírica modernista.

O MENINO POETA – Henriqueta Lisboa

O menino poeta
não sei onde está
procuro daqui
procuro de lá
tem olhos azuis
ou tem olhos negros?
Parece Jesus
ou índio guerreiro?

Trá-lá-lá-lá-li
Trá-lá-lá-lá-lá.

Ai! que esse menino
será, não será?
procuro daqui
procuro de lá.

O menino poeta
quero ver de perto.
Quero ver de perto
para me ensinar
as bonitas coisas
do céu e do mar.

 

Semana da Poesia EV – Sábado (27/03/2010)

27 mar
Nesse sábado, trazemos mais uma tradução. Dessa vez, um poema do sacerdote budista e poeta japonês Sami Mansei. O poema faz parte da coletânea Man’yōshū – ou, em bom português, “Coletânea de Dez Mil Folhas” -, conhecida como a mais antiga coleção de poemas japoneses e surgida durante o Período Nara (710 a.C – 794 d.C). Créditos ao Bungaku! pela tradução.

「 世の中を

何にたとえむ

朝ぼらけ

漕ぎ行く舟の

跡の白波 」

A nossa vida neste mundo

a que devemos compará-la?

é como um barco alinhado na pausa do dia,

sem deixar rastro.