Tag Archives: surrealismo

O Surrealismo de Emil Alzamora

4 out

“A forma humana é uma constante dentro de meu trabalho. Estou interessado em explorar o que significa habitar um, geralmente exagerando ou distorcendo diferentes aspectos da forma para revelar uma situação emocional ou física, ou contar uma história. Limitação e potencial são tão humanos quanto a carne e tão difíceis quanto tangíveis. Em meu trabalho eu luto para fazer visível essa interação.”

Toxiconomist, 2008.

Afterlife Afterthought, 2005.

Nascido em 75, no Peru, começou sua carreira de escultor em 98 e desde então faz de materiais como bronze, gesso, alumínio e mármore uma arte contemporânea ímpar combinando o idealismo grego do corpo jovem com a proposta surrealista.

Haze, 2008.

Suas obras desafiam nossas concepções sobre o corpo humano ao combinar o belo e o grotesco, suas esculturas se contorcem no espaço, parecendo desafiar a gravidade enquanto seus membros se ampliam e comportam-se além dos limites naturais.

Masochist, 2004.

Anúncios

Across the Universe of René Magritte

2 fev

“Não devemos ter medo da luz do dia só porque ela quase sempre ilumina um mundo triste e miserável.” (R. Magritte)

René Magritte foi um dos maiores nomes do movimento surrealista. O pintor belga tem obras surpreendentes e é um dos nomes mais conhecidos do movimento. Sua obra Golconde (ou Golconda) é, além de belíssima, famosa por seus homens de chapéu de coco e gabardine suspensos.  Atualmente a pintura, que data do ano de 1953, está na coleção Menil, em Houston, no Texas (EUA).

Golconde

Golconde

“A arte evoca o mistério sem o qual o mundo não existiria” (R. Magritte)

Em 2002, o músico Rufus Wainwright, fez um videoclipe cantando a música Across The Universe, dos Beatles. O vídeo mostra a atriz Dakota Fanning rodeada por homens semelhantes aos representados na Golconde de Magritte. É interessante como o músico tornou vídeo a obra do pintor belga. Seria bastante interessante ver outras obras, não só de Magritte, “videomusicalizadas” como essa.

Da Insensatez da Arte

13 out

A TRAVESSIA RUMO À CIDADANIA

Define-se o Surrealismo como “uma corrente artística e literária moderna, da representação do irracional e do subconsciente”. A partir desse conceito muitas coisas devem se passar na cabeça do leitor, e apenas a menção da palavra Surrealismo nos remete ao genial Salvador Dalí. E foi baseado nesse conceito que surgiu a 2ª Mostra de Arte Insensata.

As obras são de autoria de de vários portadores de sofrimento mental e foram produzidos nos Centros de Convivência. A iniciativa da Prefeitura de Belo Horizonte busca resgatar a cidadania atravás da arte e da cultura, de um dos grupos sociais que mais sofrem com o preconceito.
Quem quiser conferir, o evento ocorre entre do dia 13 a 16 de outubro, na Praça da Estação e terá exposições, oficinas, palestras, shows, Mercado Maluco, Bar Temático, etc. Quanto à programação, peço-lhes, queridos leitores, que me perdoem, pois não consegui achar. Quem for, me conta via comentário como foi.

Prêmio pra quem me falar quais são as obras de Dalí que foram usadas de referência pra fazer o cartaz. São 8.

 

Clique na imagem para aumentar

Clique na imagem para aumentar

 

Lirismos de Quinta – 23/09/10

23 set

O poeta surrealista Murilo Mendes, certa vez, escreveu uns versos que merecem um acompanhamento visual. Ou dois:

Joan Miró

Soltas a sigla, o pássaro, o losango.
Também sabes deixar em liberdade
O roxo, qualquer azul e o vermelho.
Todas as cores podem aproximar-se
Quando um menino as conduz no sol
E cria a fosforescência:
A ordem que se desintegra
Forma outra ordem ajuntada
Ao real — este obscuro mito.

In: MENDES, Murilo. Antologia poética. Sel. João Cabral de Melo Neto. Introd. José Guilherme Merquior. Rio de Janeiro: Fontana; Brasília: INL, 1976


Ah, a fotografia…

19 ago

Gostaria de fazer um gigantesco artigo especial sobre hoje, o dia mundial de uma das minhas artes favoritas e que exerço com paixão. Porém, não o fiz e não vou mentir: não tive tempo. Não podia, contanto, deixar passar em branco. Aqui vai uma foto que adoro e que prova que fotografia e surrealismo podem, sim, ser combinados. Não por qualquer um, claro. Essa só poderia ser uma obra de um certo Dalí Atomicus: